Diana e a Educação Física

19:09




Muito por esta blogosfera e arredores se tem falado sobre a possibilidade da educação física passar novamente a contar para a média dos alunos. E como cada cabeça sua sua sentença, eu quero deixar aqui a minha experiência e opinião. 

Começo por partilhar que a minha experiência com educação física é muito má! Eu sou um magro pigmeu de gente com zero apetência  para jogos de equipa. Ali a roçar o desastroso. Nas duas escolas em que andei apanhei sempre professores de educação física extremamente activo mas que apenas valorizavão actividades práticas de equipa, vulgo, football ou basketball. Ou seja, aulas de educação física eram um verdadeiro suplicio para mim. E eu que até que gosto de actividades físicas e não consigo estar muito tempo sem fazer qualquer actividade sentia-me super mal por ter os gostos pessoais dos meus professores a me serem impingidos. O que resultava num nota vergonhosa.

Um boa aula de educação física eram as aulas de treino para corta mato anual. Sempre tive boa resistência e não me importava nada de passar a aula na palheta enquanto andava às voltas no campo sintético ou fazia os bips.  Nunca tive direito a testes teóricos, nem a aulas de dança, nem a natação, nem nada dessas coisas...

Valeu-me no meu ano, educação física não contar para a média! Mas eu não acho que o problema esteja no facto da disciplina existir, pelo contrário, acho que todos perderíamos se a disciplina fosse facultativa. A actividade física é precisa e tem de ser incutida desde crianças, a forma como ela é dada e avaliada é que é o problema. 

Por mim a disciplina até podia contar para a média mas deveria haver uma opção de escolha. Nós devíamos poder escolher qual o desporto/actividade que queríamos desenvolver. Seja natação, football, basketball, volleyball, ginásio, ginástica, atletismo, judo... Poderiam até haver semanas exploratórias mas que cada um afunilasse os seus interesses e aperfeiçoasse algo. Algo que até quando seguisse para universidade gostasse de manter como actividade extra curricular.  

Ora eu no football era uma anedota mas até me safava bem na ginástica. Deixassem-me focar nisso e até me poderia tornar bastante boa e passar 4h semanais em movimento a fazer algo que não fosse um suplício. Porquê esta cultura de por miudos a fazer 90 mim de football para não chatearem?

Há pessoas que acreditam que com a insistência e o treino se consegue ser bom em desporto. Eu acho que simplesmente se consegue ser menos mau. E estamos a forçar uma pessoa a fazer algo repetitivamente em algo que não é boa em frente a uma turma (todos sabemos como são as crianças). Não roça ali a humilhação? Estamos a misturar pessoas muito boas e competitivas com pessoas que simplesmente querem a conquista de chutar a direito para uma baliza. Não há como não ver certos rolar de olhos e a pessoa não se sentir uma inapta. 

Pessoalmente, sempre tive turmas que aceitaram muito bem a minha falta de jeito para o football mas por vezes sentia-me mal de eu e mais outros tantos cromos de estarmos a atrasar os outros e a deixa-los frustrados. E doí-a ainda mais por saber que era boa a outras coisas relativas ao desporto que não estavam sequer a ser avaliados, porque tinha professores uni-dimensionais (football, football, football...)

Toda a gente é boa em qualquer tipo de desporto é preciso é acha-lo! E não há abertura para isso... É por isso que depois do 12º muita gente põe o desporto de lado. E isso inaceitável se queremos ter um estilo de vida saudável. 

You Might Also Like

14 comentários

  1. Eu adorava tudo menos atletismo (aquelas barreiras eram traiçoeiras para a minha competência), ginástica acrobática e dança (nessas aulas estava sempre gravemente doente) :p

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Cada pessoa tem as suas áreas fortes, era aborrecido doutra maneira. ^^ Infelizmente nem toda a gente tem direito a professores que conheçam o que é rotação de modalidades desportivas xD

      Eliminar
  2. Não acho que cada aluno deva fazer uma coisa diferente em aula, até porque não é viável para o professor ou para a escola (diferentes desportos exigem diferentes espaços).
    O que acho - e estamos plenamente de acordo - é que devem ser exploradas as modalidades. Eu tive sempre duas modalidades diferentes (pelo menos!) em cada período e éramos avaliados em todas elas de forma prática e teórica.
    Para mim, Educação Física deveria contar, sim. Os métodos de alguns professores é que estão errados - mas isso não pode ser o entrave, deve é ser corrigido. E neste momento ninguém se importa com isso porque a disciplina "não conta, não vale o esforço".

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. No contexto actual, fazer coisas diferentes na mesma aula não é fazível mas isso é porque estamos a por uma disciplina de papel e secretária no mesmo paradigma da pratica desportiva. E uma turma é um universo muito pequeno.
      Mas tens razão o "não conta, não vale o esforço" e é uma pena num pais em que obesidade infantil e o sedentarismo é um problema. Não há cultivo da pratica desportiva...

      Eliminar
  3. No meu tempo, contava para a média e prejudicou-me... O que é estúpido, dado que eu nem era má naquilo (depois comecei a desleixar-me, porque não via o meu esforço compensado). Concordo que o sistema deveria ser diferente. No entanto, não sei se a tua solução é logisticamente possível... Nem todas as escolas têm capacidade para determinados tipos de desportos (natação acho que é um bom exemplo) e não há verbas para tal. Dado que a inaptidão também é algo possível (e não há nada a fazer), porque não avaliar as pessoas pela sua evolução? De péssimo a razoável deveria ser excelente. Mais do que já ser bom e não evoluir.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tens razão, nem sempre é possível. Mas a evolução devia definitivamente contar. Eu então tinha uns quantos alunos federados na turma e eram os meninos de ouro dos profs. Até enjoava. Como se compete com aquilo?! Esperam sequer que competíssemos com aquilo?

      Eliminar
  4. Felizmente, não me posso queixar nada dos professores que tive em educação física, porque todos eles procuravam dar aulas equilibradas, sem favorecer um desporto em detrimento de outro. Agora, naturalmente, nós gostávamos mais de uns do que de outros :)
    Sinceramente, a partir do momento que é uma disciplina obrigatória, acho que devia contar para média. Se pode prejudicar o resultado final? Não digo o contrário. Mas há alunos que também não são bons a português, a matemática [ou a outra qualquer] e também vêem a média a descer. E eu acho que todas estas dimensões são importantes, à sua maneira, para a nossa formação. Claro que no nosso dia-a-dia vamos dar mais uso a umas componentes do que a outras, mas acho que também é uma forma de nos incutir responsabilidade [porque muitos iam para as aulas de educação física fazer os serviços mínimos].
    No entanto, também concordo com a tua sugestão. Se calhar seria interessante alterar a forma de avaliação

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não dá para comparar educação física com portugues, porque não envolve actividade cognitiva. Ou seja tem zero beneficio para a vida académica. Pode, eventualmente, trazer conhecimentos adicionais para quem quer lidar com a area da saude e desporto.
      Mas acho que a disciplina não deve existir só por existir. Devia ter um preposito real, senão há só gente lá a arrastar-se e parece uma perda de tempo. Eu até acho que podia contar mas teria de ser de forma mais uniformizada. Porque tu tiveste sorte com os teus profs, infelizmente nem toda a gente tem. E passa esse anos todos a jogar football durante 90 mim xD

      Eliminar
  5. Não podia concordar mais. No meu ano a disciplina contou para a média. Felizmente nesse ano tive uma professora que valorizava muito o esforço e o desenvolvimento de cada um, e, apesar de ser um desastre a desporto, acabei com 17. Lá esta, era mais ou menos boa na ginásticas, mas de resto, chapéu.
    Um beijinho grande*
    Vinte e Muitos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Professoras dessas é que vale a pena! Uma pessoa sabe que pode ser não muito boa mas se mostrar esforço sabe que é valorizada!

      Eliminar
  6. Basicamente escreveste a minha opinião. Eu, por acaso, sempre tive destreza para o desporto e gostava muito, mas, havia modalidades que não eram o meu forte e nas quais sentia atrasar os meus colegas. Sempre disse que para Ed. Física contar para a média, devia haver uma reestruturação da forma como esta é leccionada. De facto, há professores que se cingem às modalidades mais comuns e isso irrita-me solenemente. Acho que em vez de ser por turmas, devia ser por gostos, por exemplo, na matrícula devíamos especificar as nossas áreas de interesse e garantir que se agrupavam os alunos consoante estas, como, por exemplo, a natação, a ginástica, o ténis, o karaté, a dança, o voleibol, etc.
    Pode ser que um dia isto aconteça!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Assino por baixo!! Quem sabe? Pode ser que alguém se lembre de reestruturar isto e fazer algo que valha a pena! Temos ai tenta obesidade infantil que só podia resultar em algo bom e unir os miúdos pelo desporto, seja ele qual for! A ver se largam os telemóveis no recreio.

      Eliminar
  7. Palmas. Muitas palmas para este texto!!

    ResponderEliminar
  8. Eu sinto-me sempre dividida neste tema, por um lado entendo que possa prejudicar a média de pessoas que não têm muito jeito para aquilo por outro fala-se tanto de obesidade entre outras coisas por isso se educação física contar para a média faz os alunos esforçarem-se mais. Devia talvez ser reestruturado de outra forma, os alunos deviam perceber o que gostavam até ao 9º ano e no secundário (quando conta para a média) fazerem os desportos onde são melhores. Isto assim de repente, nunca parei para pensar como podia ser reestruturado xD

    ResponderEliminar