A nossa prenda de natal

Fotografia da minha autoria

Podemos não ser o casal mais romântico deste mundo nem andar a jorrar mel em todas as ocasiões ou sequer redes sociais mas cada dia que passa tenho mais confiança que estamos a construir algo realmente bom. Não somos de andar constantemente a dar prendas um ao outro mas gosto que ele saiba que eu adoro surpresa e que ele tenha sempre um bom plano na manga dele. 

Este natal (não sei se cheguei falei nisso ou não) combinamos que não íamos comprar prendas um ao outro, mas sim fazer algo os dois como celebração. Então ficou agendada uma visita a Sintra, passeio de dia inteiro para voltar à vila e conhecer um bocadinho do que temos aqui tão perto e tão bonito!  Azar dos azares, tem estado um tempo terrível e quando há sol há projectos e entregas e fomos adiando, adiando... e vamos chegar ao verão sem a nossa prendinha de natal oferecida. 

O bom tempo está a chegar, as aulas terminaram e parece-me que vai ser um bom plano para este período de estudo para exames, para descomprimir um bocadinho e claro namorar muito! As ideias não são muitas e visitar Sintra não é para quem quer é para quem pode (€), paga-se em quase tudo e não é pouco!

A minha ideia passa por conhecer a Quinta da Regaleira, já que tanto eu como ele conhecemos a Pena, monserrate (que é lindo, portanto não me importava de voltar a visitar)  e até o castelo dos mouros. E acabar o dia a passear pela vila que andar um bocadinho pela serra. 

Portanto se tiverem sugestões de sítios fantásticos em Sintra, sejam amigos e partilhem!

Ontem foi dia de X-men


Se é Marvel tem de estar na lista de filmes para ver e ontem foi o dia. Fui eu e mais 7 moços ver o que a Marvel tinha para oferecer. 

No global gostei do filme, acho que está bem feito. X-men não é a história que conheço melhor mas posso dizer que o filme está um quanto ou tanto apertado, isto é, demasiada acção (mas boa) e pouca história. Havia muito mais para desenvolver e perceber. Introduziu muita coisa e acabamos por ficar com um cheirinho de tudo mas nada em concreto o que levou a um final demasiado previsível. Embora ninguém vá ver marvel para ficar surpreendido com um final, certo?
Apesar de todos os filmes da Marvel terem as referencias para quem é realmente fã, acho que este perde muito em tentar condensar demasiada coisa naquelas pouquíssimas horas. 
Por outro lado gostei do cast, gostei das personagens e gostei dos efeitos do filme, acho que está bem trabalhado... Ah... e gostei, claro, dos post-credits! 

Por falar em post-credits, fiquei surpreendida porque quer no x-men quer no captain america a quantidade de gente que ficou para as cenas finais foi ridiculamente quase gente nenhuma. Acho que ao final de quase sei lá... pelo menos uns 15 filmes as pessoas já deviam ser um bocadinho mais instruídas!
Marvel tem sempre cenas finais!! 

Verão


Depois do semestre de cadela que tive, sem tempo para nada... o verão está cheio de planos e ideias para compensar a falta de tempo do inverno!! Estou desejosa que a época de exames acabe e comecem as férias a sério!

OPINIÃO | Colégios Publico-Privados




Tanta polémica relativa a este assunto, tanta manifestação e opiniões que acho que faz sentido falar um bocadinho do assunto e dar a entender o lobby que se instalou. 

Os colégios publico-privados (CPP) foram, são e serão sempre uma necessidade. O estado não tem fundos suficientes para ter escolas publicas em todo o território e como a escolaridade é obrigatória, todos os alunos tem o direito de puderem estudar a custo zero. Actualmente a maior parte destas parcerias não faz sentido porque já existe escola publica nos conselhos das privadas, mas infelizmente os contractos não foram quebrados, ou sequer reavaliados, e assistimos a uma proliferação estilo cogumelo de escolas publico-privadas. E fomos assistindo a escândalos como o do grupo GPS muito antes destes tão falados cortes nos contratos. 
Para não falar no ar e sem contexto, levantam-se as seguintes perguntas:

O que é que vai realmente acontecer?
O que a medida diz é que escolas que estejam em conselhos em que há oferta publica deixam de poder celebrar novos contratos com os pais, subsidiados pelo estado, isto é abrir novas turmas. As turmas existentes ficam fechadas e as crianças dessas mesmas turmas tem apoio até terminarem os seus estudos até a transição (para escola unicamente privada) estar concluída. 

Snap what?


Eu devo ser a única criatura à face do planeta que não tem Snapchat, não se interessa pelo filtro do cãozinho, nem quer sequer perceber porque raio isto anda tão na moda... Eu gosto de viver no meu mundinho isolado em que não mando vídeos e fotos às pessoas só porque sim!  Estou cansada de ouvir "Olhaaaaa, o x mandou-me um snap" e eu ficar com cara de parva a dizer "Ah... ok... o que queres que faça com essa informação?"

Mail do orientador...



Mail do orientador (No fim de abril) = toneladas de papers para ler + toneladas de livros para ler + um "em junho reunimos, quero que tenhas ideia do que queres fazer" + um "eu sei que em maio está complicado mas queria ver se começávamos a tese em junho/julho"

Estamos no fim de maio e... não tenho ideia do que quero fazer, quero férias e não li nada do que tinha para ler... O panorama está negro.. cheira-me que vou começar junho a comer livros à colher, só naquela...

Até dá vontade duma pessoa se esgatanhar toda...



Uma pessoa está na sua vidinha fatigante e desinteressante de estudante universitária em testes quando de repente ouve uma avioneta a voar baixinho. Vai à janela e é uma avioneta com faixas para o Love on top da TVI. Até dá vontade de uma pessoa ir à varanda esgatanhar-se toda, esbracejar e gritar para o avião... Quase mas não! just kidding... 
O Guincho ou lá onde aquilo é ainda é longe... não sei porque raio vieram para a minha zona... 

LV ❤

Há demasiados dias que não ponho os pés na blogosfera mas tudo tem o seu propósito e este texto é em parte um "pedido de desculpa" mas também um "texto de despedida" e um desabafo. 
Este mês deve ter sido dos meses mais complicados da minha vida, não menos complicado do que foi doloroso... E ainda hoje estou a torcer para acabe o mais depressa possível. 
Nunca tive um semestre tão complicado, inflexível, cheio de trabalhos, noites mal dormidas ou até não dormidas e em que eu e o meu namorado mal nos conseguimos cruzar devido à quantidade de coisas que tínhamos para fazer... 

E como se a vida só por si já fosse simples ou sequer fácil, a minha madrinha de 85 anos teve um avc quase fulminante. E depois do desengano e de vários dias em coma dissemos-lhe na semana passada adeus. Estive estes dias todos a processar e resolvi escrever para ver se o que anda cá dentro a consumir-me resolve avançar e dar lugar só à saudade boa. 

Apesar de ser só madrinha, foi muito mais que isso foi um avó que me criou e com quem tive sempre a maior proximidade, amor e confiança. Daquelas pessoas que nos amam com o maior desinteresse e o mais incondicionalmente possível, que acompanham nos melhores e nos piores momentos. Daquelas pessoas que nos mudam as fraldas e nos aturavam os dias inteiros enquanto os nossos pais trabalhavam. Especialmente porque ela e o falecido marido dela nunca terem tido filhos, a minha mãe (porque a ajudaram a criar) e claro nós sempre fomos a família deles. Os netos, e os filhos que eles não tiveram. 

Ela partiu e saio de consciência tranquila que lhe demos todo o amor e consideração que ela mereceu. O ligar todos os dias, o ir lá todas as semanas, os jantares, os aniversários, os natais e o ano novo... fomos da casa, fomos do coração. Porque há família que se escolhe amar. 
Ficaram promessas para cumprir mas que nenhuma delas não foi conseguida por falta de tentativas.

Hoje estou particularmente emocional e fragil porque, tendo ela casa alugada tivemos que a  começar desfazer. Mexer nas coisas da vida de alguém que amamos e que sabemos que não vai voltar é das coisas que mais custa. É esvaziar armários, loiças e recordações e saber que não podemos ficar com tudo tal qual como foi deixado. É ficar com recordações e saber que ela nunca me vai ver licenciada e mestre, conhecer o meu namorado nem vai poder acompanhar o eu um dia comprar casa, quando tiver filhos ou tenha o meu emprego de sonho. Conquistas que vão ser vividas por menos uma pessoa especial mas que eu, como cristã que sou, acredito ela onde quer que esteja estará sempre a torcer por mim e vai apreciar cada momento que também vão ser passados a pensar nela. 

Aquele casal era os nossos 3º par de avós, porque eramos pessoas com sorte e com muito amor.

Tão 30º em Lisboa, homem!


Fazendo o ponto da situação: Estão 30º em Lisboa, a sala um forno, portas e janelas fechadas, eu rosada de tanto calor e se pudesse despir mais despia. Olho umas mesas à frente e está um moço de sobretudo e cachecol. 
Já passou umas horas e eu ainda estou a processar tal acontecimento. Eu em modo "se pudesse ia a banhos ao tamariz" e o moço em modo "estou aqui como podia estar no árctico, same shit", modos de vida... dizem que o frio é psicologico neh?!