Quem é aquele senhor?

13.6.15



Quero-vos contar uma historia que se passou à uns anos atrás  numa das raras vezes que a minha mãe conseguiu convencer o meu pai a ir com ela à Opera. Nisso os meus pais não podia ser mais distintos. A minha mãe adora Opera e o meu pai detesta (como eu o compreendo! Já fui ver duas e não consigo gostar daquilo). 

Tinham os meus pais acabado de chegar quando um senhor super bem parecido chama a minha mãe e apresenta-se ao meu pai. A minha mãe que fica super contente por ver o senhor e fala com ele sobre a família e sobre a opera em questão a qual ele dá a entender que percebe imenso e adora aquela opera. Quando a conversa de circunstância termina o meu pai pergunta-lhe: 
Este senhor é teu colega da Escola? [a minha mãe é professora, licenciada em Historia] ao qual a minha mãe responde com imensa naturalidade: Não, é o senhor do talho!

Não consigo não achar esta historia um espectáculo. Tínhamos ali um doutorado [o meu pai] e um talhante e o mais interessando pela Opera era o talhante. As vezes temos ideias tão pré concebidas sobre as pessoas baseadas no que elas fazem que não paramos para pensar que a cultura, boa educação, bom gosto e realização são transversais à educação e ao trabalho que temos. 

Não considero de todo o meu pai uma pessoa preconceituosa mas achei engraçado o espanto dele pois sempre achou que a opera era algo demasiado elitista para a população em geral e ele não se sentia muito contente por ir assistir à opera. Mas lá está o amor tem destas coisas.

You Might Also Like

7 comentários

  1. ahahah é verdade avaliamos as pessoas pelo aspeto, pela escolaridade e no entanto, pimba as pessoas nos surpreendem!

    ResponderEliminar
  2. Existe realmente a ideia de que amantes de ópera são as pessoas de classe mais elevada.. Mas eu também acho que o preço dos bilhetes também comanda isso (eu não faço ideia quanto custam)..

    ResponderEliminar
  3. Acho que esta história (não estado a chamar de preconceituoso o teu pai) espelha muito a sociedade de hoje em dia :)
    Achamos que o zé da esquina que gere uma loja local ou até o trolha da obra mais próxima que se limita a beber cervejas não têm cultura e isso é um grande juízo de valor que acho que ao fim e ao cabo acabamos todos por fazer, nem que seja inconscientemente :)

    ResponderEliminar
  4. Adorei esta história, muito bonita. E não podia mais concordar contigo, os preconceitos que temos referentes a certas profissões, ou estados sociais, ou o que for leva-nos a supor que todas as pessoas são " iguais" quando elas podem ser tão transversais.

    ResponderEliminar
  5. Eu acho que não é preconceito acharmos que as pessoas mais cultas andaram no ensino superior como nessa situação que contaste. É preconceito quando demonstramos que claramente achamos que as pessoas sem instrução não são ninguém. Eu fico possuída com essas conversas. Ha uns tempos um colega meu, cuja irmã anda em medicina, falou comigo sobre um rapaz que gostava da irmã dele. E eu fiquei tão chocada com a conversa que juro-te: nunca mais o vi com os mesmo olhos. Então o que é que ele disse? Que o rapaz, coitado, tinha de trabalhar nas obras porque foi o único trabalho que encontrou. A família viu-se de repente com imensas dívidas por causa de problemas do pai e o rapaz desistiu de ir para a faculdade para poder dar dinheiro à família. Mas, apesar de ser bom rapaz e inteligente - eu conheço-o e sei perfeitamente que não é burro nenhum - trabalhava nas obras e por isso não era digno da irmã dele. Partiu do principio que o rapaz ia ser bronco, nunca iria sair da vida das obras e seria sempre um bronco.
    Eu sei que todos nós temos uma ideia má sobre a maioria dos homens que andam nas obras. Mas aquele rapaz é uma excepção, assim que ele encontrar outro emprego ele muda, tenho certeza disso. Fiquei tão chateada, tão chateada! Não gosto que as pessoas coloquem de lado as outras só porque não têm um curso. Ou que desvalorizem o trabalho de empregadas de limpeza (por exemplo, as do shoppings que já vi muita gente a gozar e eu não suporto isso). Enfim, estas situações deixam-me tão triste.

    ResponderEliminar
  6. é mesmo uma prova de que os preconceitos não podem ser mais errados :)

    ResponderEliminar