Devo intimida-los!

28.1.15

Não sou a típica rapariga previsível, não sou a típica rapariga que se veste toda catita e gasta fortunas em maquilhagem e gosta de falar ou admira o mundo de hollywood.

Gosto de coisas bonitas, não me maquilho, gosto muito de rock, metal sinfónico, punk rock, rock alternativo, gosto muito de jogos de estratégia e já joguei vários, tenho um tumblr super feminino e gosto de imagens fortes e ligadas à moda, sei o nome de toneladas de modelos, sou bastante tímida mas riu alto, consigo estar horas a ver o meu namorado a jogar GTA sem me fartar mas no entanto não gosto de ser eu a jogar porque detesto a playstation, adoro ir jantar fora, adoro comprar lingerie mas detesto passar horas nas compras. Entre mim e o meu irmão sou eu quem ajuda o meu pai com as coisas cá de casa. Sou uma pessoa com opiniões super vincadas e que gosto de me manter a par do que se passa no mundo. Posso não ser a melhor condutora do mundo mas recuso a acreditar que seja porque sou mulher. Não que conduza mal apenas não sou a melhor a estacionar, tenho alguma falta de noção de espaço e por vezes distraio-me a conversar ou a cantar e vou em piloto automático. Já perdi a conta ao numero de vezes que quero ir ao centro comercial e volto para a faculdade. Claramente faladora como a minha mãe e distraída como o meu pai. Adoro dançar e não ter tido aulas é uma das frustrações da minha vida. Fui ensinada a questionar as coisas e sinto que o faço mais do que a maioria das pessoas e isso incomoda-me. 

Detesto que me olhem com desconfiança por ser mulher nos jogos que gosto, nas bandas que adoro ou no curso que estou. Não sei se é por ter mais jeito que eles ou se por ter melhor gosto, parece que o dar para trás é apenas porque os intimido! Nada me magoa mais do que "ser mulher" seja algo negativo porque tenho imenso orgulho. Sou tão capaz quanto eles.  Nós mulheres somos um privilégio para quem tiver a sorte de nós ter. Eles nem duravam dois dias no nosso lugar!!  

You Might Also Like

13 comentários

  1. Uma das maiores frustrações da minha vida foi não ter aprendido a dominar um instrumento musical (flauta não conta). Olha, a mim olham-me de lado quando digo que detesto jogos, consolas, etc... Claro que és capaz, todas as mulheres são capazes, mas assim como há coisas que as mulheres se desenrascam melhor, há outras em que os rapazes se safam melhor que vocês. É natural. :)

    ResponderEliminar
  2. É verdade, Ella. Temos muito valor! :p
    Beijinho*

    ResponderEliminar
  3. Gosto não devem depender no sexo da pessoa, mas sim da personalidade :)
    Eu também não sou lá muito boa a conduzir.. Acho que na parte da condução saiu à minha mãe (gostamos de acelerar e temos tudo controlado, só que a pessoa do lado pensa que vamos bater) e a estacionar em paralelo sou uma desgraça total :p

    ResponderEliminar
  4. Apoiado em tudo! Ao descreveres-te parecia que me estavas a descrever a mim em certos aspectos e então o último parágrafo... Bem, não podia concordar mais não fosse eu uma Feminista de primeira!

    ResponderEliminar
  5. Bonito texto e concordo com o teu último paragrafo na integra! :)

    ResponderEliminar
  6. Este texto demonstra tanta maturidade :)
    Beijinho e bom pensamento!

    ResponderEliminar
  7. És como és e só isso importa :D
    "Eles nem duravam dois dias no nosso lugar!!" - não poderia estar mais de acordo !!

    ResponderEliminar
  8. Tão verdade! Eles só se sentem intimidados porque não gostam de "perder" contra nós. No fundo, sabem que somos tão poderosas como eles :p

    ResponderEliminar
  9. Não podia estar mais de acordo. Tal como tu, adoro muitas coisas que supostamente não devia por ser rapariga e há quem olhe para isso com maus olhos. Mas também temos o direito de ser diferentes (:

    ResponderEliminar
  10. Senti exactamente isso quando entrei para o meu curso. Que por ser rapariga e não ser tão geek quanto eles, ou não programar desde os 5 anos de idade nem saber todos os nomes dos componentes informáticos que saíram a semana passada que olhavam para nós (raparigas que entraram no mesmo ano) como se estivesses ido ao engano e fôssemos desistir no final do ano. Guess what, as raparigas em geral são as que têm melhores notas no meu curso, maioritariamente masculino. :)

    (Ella às vezes demora imenso tempo a entrar no teu blog, no canto superior esquerdo aparece que estamos a ser redirecionados para a página "onlineleaf" ou algo assim)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. (Já funciona Ella :) )

      Eu só tinha tido programação no secundário - numa disciplina muito tosca de opção do 12º ano - onde aprendi Pascal que estava, já na altura, mais que ultrapassado. Quando entrei na faculdade levei logo no primeiro semestre com duas linguagens novas, uma delas Java. O que eu chorei a olhar para aquela treta sem perceber nada, pensei que nunca ia entender aquilo e que me tinha enganado no curso. Mas depois fez clique ou lá como lhe chamam, e agora até gostava de, profissionalmente, passar o tempo a programar. :) é como dizes, safo-me melhor que muitos dos rapazes que entraram ao mesmo tempo que eu.

      Eliminar
    2. Primeiro foi Java versão soft, só o básico de linguagem de programação. :) Não usámos o Sublime nem o Gedit. O que fazíamos era escrever os programas num editor tipo notepad++ ou até em bloco de notas, e compilavamos os programas em linha de comandos. ERA CÁ UMA SECA. Eclipse usei no final da cadeira apenas para fazer o trabalho final, que era lixado como tudo. Também aprendi Python mas achei que não foi tão a fundo como Java, acho que só aprendi o básico e formas de manipular matrizes e listas de maneira diferente. E quem me dera ter tido C e Assembly! Acho que são linguagens básicas, mas infelizmente o coordenador do meu curso não achou o mesmo.

      Eliminar
  11. Às vezes estou uns bons tempos longe da blogosfera mas, quando volto, um dos primeiros blogues que venho sempre reencontrar é o teu! E cada vez está melhor! É incrível ver como tem evoluído. Continua com o bom trabalho, beijinhos :)

    ResponderEliminar