A maternidade e a empresas.

18.6.14

Eu gosto bastante de ter nascido mulher com todos os inconvenientes que isso tem, e que não são poucos. Não fazemos xixi em pé, temos o período, temos dores, mudanças de humor e a 3º guerra mundial versão hormonas. Somos mães, donas de casa e mulheres e conseguimos fazer um excelente trabalho. 

Eu adorava um dia ser mãe mas as vezes olho para as noticias e vejo coisas como: Mulheres são obrigadas a garantir em contratos que não vão engravidar durante um certo tempo. Deixa-me frustrada porque começo logo a fazer contas. Ora faculdade 21/22 anos (se correr tudo bem) mais mestrado, soma lá mais 2 ou 3... ora arranjar ou não arranjar emprego 25... e depois pendem-nos o que? Ah e tal agora esperas mais 5 anos até ser mãe se queres emprego.

Qual é a lógica disto num pais em que a natalidade esta a cair a pico e temos uma população envelhecida. Não é preciso ser muito inteligente para perceber que a natalidade é um investimento bem lucrativo a longo-médio prazo. Mas o problema está exactamente ai, no lucro, pois todo o lucro que não é imediato é desconsiderado. 

É necessário reequilibrar a população activa do pais para garantir a reforma dos que aqui estão agora. População activa = produtividade = melhor economia. Alguém está a ser mal ensinar mal os alunos nas faculdades de gestão e de economia. 

Mas enquanto a mentalidade não muda que hipóteses tem a mulher se quer ser mãe e quer ter liberdade financeira? Nenhum... espera. Que liberdade é que há nisso, adiar a nossa vida.
Porque os tempos não estão para alguém atirar a toalha ao chão e dizer eu quero ser mãe e pronto. Porque empregos não caem do céu e depois perde-se um ou dois anos de emprego e depois já estás velha. Já não tens valor para uma empresa.

E se juntarmos a isto o facto de as mulheres serem postas na rua se em certas empresas engravidarem ou simplesmente receberem menos que os homens. Porque, apesar de ser cada vez mais raro, ainda acontece. 


You Might Also Like

5 comentários

  1. Concordo contigo, encontrei uma grande discussão no facebook sobre isto e ninguém se mostrava contente, pois não passa de uma estupidez!

    ResponderEliminar
  2. Quando li essa noticia achei-a tãooo parva -.-

    ResponderEliminar
  3. o problema é que as empresas têm que pagar na mesma às grávidas e agora só se quer saber de lucros. não é fácil de nenhum dos lados.

    ResponderEliminar
  4. Não podia concordar mais contigo. E muitas mulheres que querem ser mães e poderem trabalhar na mesma vão para fora onde a mentalidade não é assim e com isso Portugal perder mais gente, mais pessoas activas e a pirâmide etária começa a ficar desvirtuada.

    ResponderEliminar